Untitled Document
Untitled Document



   
Acesse aqui seu Email do Guararema
 
Untitled Document
Untitled Document

Guararema Cidade Natal

 

........PONTOS TURÍSTICO

Trem Maria Fumaça 353

A ABPF inaugurou no dia 16 de outubro, seu mais novo trem turístico-cultural em Guararema-SP. A composição com três carros de madeira fabricados na Inglaterra entre 1896 e 1937 será tracionada por uma locomotiva a vapor fabricada nos Estados Unidos em 1927, a maior em atividade no Brasil, que percorrerá o trecho entre a Estação Central de Guararema e a Vila Luis Carlos, num total de 6,8 km de extensão. Os passeios abertos ao público começam no dia 24 de outubro.

O passeio de Guararema-SP tem como trajeto o trecho compreendido entre a Estação Central de Guararema e a estação da Vila Luis Carlos, perfazendo o total de 6,8 km. A Estação de Guararema, construída em 1891,  totalmente restaurada, conta com infraestrutura e acessibilidade necessárias para a operação.

Os viajantes poderão usufruir de um trajeto de bela paisagem e muito verde.

O destino final do passeio, a Estação de Luis Carlos, datada de 1914,  foi restaurada em 2011, pela Fibria, através de lei de incentivo e compõe com a revitalizada Vila de Luis Carlos, um cenário especial para uma verdadeira volta ao passado. O local  conta com comércio típico para atender aos visitantes.

 

Revitalização do Distrito de Luis Carlos

Após revitalização, distrito de Luis Carlos, em Guararema, é inaugurado
Fachada da Igreja e construções foram recuperadas em obras.
O local histórico deve aquecer turismo na cidade.

Segundo a Prefeitura, 22 construções tiveram sua fachada e o interior recuperado. “Nós fizemos a revitalização de toda a fachada das casas e por dentro, foi um longo trabalho de restauração aproveitando a madeira dos telhados e das portas, nós focamos nesta questão ambiental também”, acrescenta Francisco Villar, chefe de gabinete.
As construções restauradas irão abrigar empreendimentos comerciais agora. “Será tudo direcionado para o turismo. Teremos restaurantes, bares e cafés”, elenca Villar.
Segundo dados da Prefeitura, a Igreja de São Lourenço faz parte da história do povoado. Seu telhado foi restaurado e, as paredes externas foram pintadas nas cores do padrão azul antigo. Construída no ano de 1906, famílias tradicionais de Mogi das Cruzes fizeram doações financeiras para a capela.

Igreja de São Lourenço recebeu cores originais da época de sua construção.

Segundo o padre Vandenilson, responsável pela paróquia desde março, a partir do ano que vem será discutido o projeto para a reforma interna da Igreja. “Há uma parte ou outra de vazamento. Por dentro nós pretendemos mexer no piso e no altar. Como a igreja matriz está em obras, o projeto ficará para o próximo ano.”

Maria Fumaça
Segundo informações obtidas no site da Prefeitura, a Estação Ferroviária de Luis Carlos foi fundada em novembro de 1914. Prestes a completar 100 anos, a Maria Fumaça voltará a soar o apito avisando a partida da locomotiva para o passeio de sete quilômetros entre a Estação Central, em Guararema, e a Estação de Luis Carlos.
Ainda segundo informações do site da Prefeitura, a proposta é oferecer o passeio gratuito, em um dia da semana, para as creches e escolas municipais e estaduais, assim como programas sociais e idosos.
Ainda sem data definida pela prefeitura, atividades artísticas também serão desenvolvidas no local para ajudar a recontar a história da linha ferroviária. Além da sua importância para o escoamento de mercadorias no século passado e transporte de passageiros, a Estação serviu de cenário para a gravação de quatro filmes, segundo Villar, as duas produções de faroeste do pistoleiro Gregório (“Gregório 38” e “Gregório volta para matar”), “Sangue em Santa Maria” e o drama rural com a participação da dupla caipira Tonico e Tinoco em “O Menino Jornaleiro”.

Luis Carlos da Fonseca Monteiro de Barros era o engenheiro civil e poeta que batizou a estação, de acordo com a prefeitura da cidade. Carioca, exerceu a função de chefe da Estrada de Ferro do Central do Brasil. Em paralelo à esta função, publicou quatro livros e chegou a ocupar a cadeira 18 da Academia Brasileira de Letras.
O maquinista Orlando Azevedo, de 53 anos, relembra das viagens feitas após a aposentadoria da Maria Fumaça. “Eu trabalhava com o trem de passageiros que fazia a linha Rio-São Paulo. Em época de chuva, a estação e o trilho de Luis Carlos enchia de água por não ter o corte de pedras, ai acabava atrasando a viagem.”
Azevedo, que trabalhou por exatos, e bem lembrados, 30 anos, um mês e um dia na ferrovia, entre tantas lembranças dos companheiros de serviço, se recorda com carinho do povo de Luis Carlos. “A estação era bem simples e sempre foi assim.Tudo se fez em volta da estação. Tinha um barzinho que, antes de clarear o dia, já vendia café com leite e pão com manteiga. Podia ser sábado, domingo ou feriado, não importava, o senhor estava lá.”
Mesmo com os assentos duros e o cansaço da viagem, o povo de Guararema e Luis Carlos fazia até mudanças através do trem. “Eles traziam balaio com galinha caipira, galinha de angola, cuia de queijo. O pessoal em Luis Carlos subia com gaiola de passarinho, rapadura e com a garrafa debaixo do braço”, relembra.
Pela simplicidade do povo da região, Azevedo afirma que muitos não pagavam passagem. “O chefe de trem tinha dó. Era gente que entrava em Guararema e Luis Carlos para descer em Mogi e vender seu frango caipira. Antigamente não tinha maldade, a pessoa necessitava daquilo”.
Azevedo, que trabalhou em outras linhas férreas do Brasil no Rio de Janeiro, pelo sul de Minas Gerais e interior de São Paulo, permaneceu na empresa até sua extinção, em 2011. “A gente sente muita saudade, principalmente dos companheiros de viagem”, finaliza.

 


Parque Municipal da Pedra Montada

Localizada na estrada da Petrobrás, se esconde uma verdadeira escultura da natureza. Trata-se de uma belíssima sobreposição de pedras, cada uma medindo cerca de 9m de comprimento por 2,5m de altura. O “Parque Municipal da Pedra Montada Dr. Isidoro Martins Ruiz”, conta com total infra-estrutura para a recepção de turistas. Localização: Estrada Municipal Hércules Campagnoli, KM 08 – Putim.


Recanto do Américo

O Recanto do Américo ou Pau D’Alho é uma praça que foi reurbanizada no ano de 1999 em comemoração ao aniversário de 100 anos da cidade e tornou-se um dos mais belos e procurados pontos turísticos do Município. Pode-se dizer que é um dos cartões-postais da cidade, onde se pode desfrutar da tranqüilidade, além do belo cenário.
O Recanto do Américo oferece em toda a sua extensão uma Área rica em recursos naturais. As pontes que interligam a praça às ilhas foram todas construídas sob especificações de normas canadenses de construção deste nível e levam o visitante a diferentes pontos sobre as águas do Rio Paraíba do Sul, conta com ampla e variada concentração de espécies de mata nativa, remanescentes da Mata Atlântica, além dos recursos fluviais e da bicentenária árvore Pau D’alho, com aproximadamente 30m de altura e 12m de diâmetro com localização a Rua Cel. Ramalho no Centro.


Pontilhão e Ponte de Ferro Central do Brasil

Sua História confunde-se com a própria História da cidade, pois serviu de transporte de pessoas e mercadorias até a sua paralisação na década de 70.
O Pontilhão, próximo à estação de trem, no Centro da cidade, chama a atenção de todos que a veem devido à grandiosidade de sua arquitetura de origem inglesa. A estação foi reformada e transformada em Centro Cultural onde hoje funciona a Secretaria Municipal de Cultura.
Um trecho da linha foi reativado e hoje serve de meio de transporte industrial para a empresa FIBRIA.
A Estrada de Ferro Central do Brasil cruza também o Bairro Luis Carlos, que se localiza entre o centro da cidade e o município de Mogi das Cruzes, onde está a Estação de Luis Carlos, inaugurada em 1914, e cujo nome deriva do Dr. Luis Carlos da Fonseca Monteiro de Barros, chefe do 2º Distrito da Central do Brasil.
A Estação toda restaurada e entre os objetivos do restauro está também devolver à estação as características arquitetônicas datadas de sua construção e preservá-la, uma vez que sem o restauro parte da história de Guararema também se perderia na memória.


Igreja Nossa senhora da Escada

A primeira capela foi construída em 1652 pelos jesuítas. Já em 1732 com a expulsão destes da Capitania de São Vicente a administração do arraial da Escada foi entregue aos Franciscanos, que construíram uma nova capela onde hoje se encontra a atual Igreja. Sua arquitetura é tipicamente barroca, com suas paredes construídas em taipa de pilão. O Arraial da Escada representa a formação do próprio Município de Guararema. Situada no bairro da Freguesia da Escada, a 3,5 quilômetros do centro da cidade, a Igreja resistiu à ação do tempo, passou por reformas e ampliações até ser tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, no dia 25 de janeiro de 1941. Em 1982, a Igreja passou por uma reforma definitiva quando foi construída a praça em frente . Esta é a única Igreja do Brasil que possui a imagem de São Longuinho, conhecido popularmente como o Santo das coisas perdidas. No centro da capela está enterrado o frei José de Santa Bárbara de Bittencourt, que faleceu em 29 de setembro de 1890.


Ilha Grande

Inaugurada no final do ano de 2004, a Ilha Grande, é o mais novo ponto turístico de Guararema, uma ilha que permite ao visitante dar um passeio em sua pista de 400 metros as margens do Rio Paraíba. A Ilha Grande vem acompanhada de um projeto que tem o nome de “Bom Dia Saúde”, onde o visitante poderá fazer atividades física acompanhado por um especialista em Educação Física. O local possui total infra-estrutura, mostrando que é possível uma total integração entre o homem e o meio ambiente. O horário de visitação da ilha é de segunda a segunda das 06:00hs as 20:00hs.


Igreja Nossa Senhora D´Ajuda

Foi construída em 1682 em uma colina, às margens do rio Paraíba do Sul. É uma das construções coloniais mais antigas no Estado de São Paulo. Para alcançá-la é necessário escalar 81 degraus. Foi núcleo religioso das fazendas próximas, servindo também de cemitério, enterrando-se os brancos no interior do templo e os escravos atrás. A capela possui uma imagem de Nossa Senhora D’Ajuda, em terracota, provavelmente de origem portuguesa. Em 24 de setembro de 1984 a capela foi tombada como monumento de interesse histórico.

Untitled Document
 
  Fale Conosco
  Cesar Azevedo dos Santos
contatoguararema@gmail.com